quinta-feira, 11 de Setembro de 2008

O ICDP em Portugal

O I.C.D.P. começou em Portugal em 1982 e ganhou forma com o Projecto Alfragide, um programa de apoio a famílias vindas das ex-colónias portuguesas. Porém, o dispêndio de recursos para o desenvolvimento de projectos noutros países (Africa do Sul, Angola, Colômbia, Moçambique, Noruega, etc.) levou a um interregno da actividade em Portugal. Desta forma, tornou-se fundamental recomeçar de forma oficial e com uma nova equipa - o I.C.D.P. Portugal. Assim, no ano passado, 2007, foi realizada a primeira sensibilização I.C.D.P. em Portugal por uma equipa constituida por Penélope Villar, Teresa e Pedro Mendes. Começámos com um grupo de 7 pessoas (dois enfermeiros, um nutricionista, duas psicólogas, um arquitecto e um professor). O grupo revelou-se sempre muito dinâmico e com vontade de cooperar com energia e positivismo.

Quatro membros deste grupo decidiram colaborar activamente na apresentação oficial do I.C.D.P., em Lisboa. O evento teve lugar a 22 de Junho de 2007 e foi um enorme sucesso, com todos os presentes a revelarem desejo de saber mais acerca do Programa. Na realidade foram vários os contactos estabelecidos que resultaram em reuniões de trabalho.

Finalmente, a 12 de Janeiro de 2008, o I.C.D.P. Portugal deu os primeios passos para ganhar uma forma reconhecida oficialmente: realizámos a nossa primeira reunião oficial. Os orgãos oficiais foram formados e hoje somos onze membros efectivos com papéis legais. Agora podemos contar com a cooperação de dois membros do board do I.C.D.P. internacional, quatro membros que estiveram/estão envolvidos internacionalmente no I.C.D.P. e sete novos membros cheios de motivação e energia para participar com novas ideias. Ainda temos muito trabalho para realizar, mas estamos todos altamente motivados.

Os membros fundadores do ICDP Portugal (Da esq. para a dir.: Raul Martins, Ana Paiva, Pedro Mendes, Teresa Mendes, Joana Momade, Santana Momade, Rita Correa, Pedro Parracho (atrás), Penélope Villar, Sónia Mendes (atrás) e Rui Mourão).

Sem comentários: